Principais problemas do modelista 3D de joias e como resolvê-los

No post de hoje falaremos sobre os principais problemas do modelista 3D de joias e como resolvê-los. É claro que toda profissão tem seus problemas, entretanto, no meu ponto de vista, nossa forma de olhar para eles é o primeiro passo para a solução.

Encarar qualquer tipo de dificuldade ou situação complexa como um problema já nos coloca na posição de defesa. Agora, se você simplesmente substituir a palavra “problema” pela palavra “desafio”, já se coloca em outra posição, de estímulo, de força, de atitude.

Esse é um conceito mental. Muitas vezes, nos posicionamos de forma errada, com crenças erradas de nós mesmos, que são extremamente limitantes e que impedem nosso desenvolvimento profissional. Nem sempre percebemos que nós próprios boicotamos nosso trabalho e nosso sucesso.

Quando você olha um problema como um desafio, isso faz com que você reconheça seu valor, sua capacidade e seu compromisso em ser cada vez melhor. Foca na solução e se desenvolve de forma gradativa e sólida. Ganha autoconfiança e segurança.

Antes de abordar de forma prática, no dia a dia, os principais desafios de um modelista 3D de joias, além do que falei acima, preciso considerar que você já está preparado como conversamos no post “Como ser modelista 3D de joias e ter sucesso”, ou seja, já tem os conhecimentos dos processos e técnicas de joalheria, já conhece o mercado e já aprendeu modelagem de joias com um software 3D.

Então, vamos lá! Na minha opinião, os principais desafios de um modelista 3D de joias são:

1 – Como conseguir clientes

Existem diversas formas de conseguir clientes como modelista de joias 3D e o primeiro passo é preparar sua principal ferramenta de trabalho: o PORTIFÓLIO.

O portifólio pode ser considerado como uma mostra, uma exposição dos nossos trabalhos. Com ele você demonstra tudo que sabe fazer. Ele pode ser impresso, online ou os dois.

Na minha opinião, o portifólio ideal é aquele simples, porém muito bem feito, com conteúdo suficiente para convencer um cliente. Isto significa um portifólio com qualidade, diversidade e diferentes graus de complexidade. Isso mostra seu nível de conhecimento e experiência.

Se você se formou recentemente aconselho a preparar um portifólio profissional usando projetos fictícios, mas que tenham coerência. Detalhe os projetos. Isso demonstra os seus conhecimentos. Um bom portifólio tem poucos trabalhos porém de qualidade suficiente para convencer o cliente.

Defina o objetivo do seu portifólio para que ele não vire um simples catálogo de trabalho. Se seu objetivo é trabalhar como freelancer procure organizar seu portifólio de maneira que seu cliente alvo entenda as suas qualificações, mas também consiga ver o que você pode fazer pra ele.

Procure colocar no seu portifólio o conteúdo que agrada o cliente e não o que te agrada. Muitas vezes você tem carinho por um trabalho, mas ele não representa exatamente o que é preciso para convencer um cliente da sua competência profissional.

Quando apresentar um portifólio online deixe-o bem fácil de ser visto e compreendido. Você pode colocar seu portifólio em sites especializados como o Behance, por exemplo, que é uma plataforma especializada nisso e muito conhecida. Ou criar seu próprio site, com domínio próprio. Isso transmite segurança e profissionalismo.

Depois de um portfólio pronto vamos ao segundo passo, que é escolher os mecanismos corretos de divulgação:

Site

Acho muito interessante que você tenha um domínio com seu próprio nome. Isso transmite confiança além de profissionalismo. Além disso, seu site é um local de contato direto com seus clientes. Divulgue telefone, redes sociais, whatsapp, enfim, todas as formas de contato que você tiver. Entretanto, tente responder o mais rápido que puder e nunca deixe de responder.  Não há nada mais frustrante e desencorajador para o cliente do que o descaso e falta de profissionalismo.

Blog
O blog é muito interessante como forma de relacionamento com seus clientes. Através de conteúdos que interessam ao seu público pode se aproximar dele. Mas é importante avaliar que para ter um blog bastante visitado é necessário ter conteúdo de relevância. Não caia na tentação de montar um blog se você não tiver tempo de alimentá-lo com esse conteúdo.

Youtube
Ter um canal no Youtube é o mesmo processo de ter um blog. Caso você resolva fazer isso o seu conteúdo deve falar sobre o seu trabalho.

Facebook
Caso você pretenda usar o Facebook como ferramenta de divulgação, faça uma Fanpage. Não use a sua página pessoal para isso, pois as coisas estarão misturadas. Isso é pouco profissional.
Anunciar no Facebook e/ou Google também pode ser uma boa estratégia. Os anúncios trazem tráfego para seu site e você tem maior possibilidade de se relacionar com os clientes.

Concursos
Participar de concurso e ficar bem posicionado no resultado pode projetar muito seu nome ou empresa. Também te dá oportunidade de ampliar seu networking. Um exemplo de concurso na área joalheira é o Auditions Brasil, promovido pela mineradora Anglogold Ashanti.

2 – Como calcular preços

O tema “quanto cobrar” gera muita polêmica e deixa a gente sem saber exatamente o que fazer e qual critério seguir. Depois de muita pesquisa e análises sobre o assunto eu observei varias coisas que interferem no valor que devemos cobrar pelo nosso serviço:

1 – Existem muitos tipos diferentes de serviços. Cada trabalho pode ter uma exigência. Por exemplo: além da modelagem da joia em si pode ser necessária uma visita ao cliente. Isso demanda custos de transporte e talvez alimentação.

2 – Cada região pratica um preço diferente.

3 – O tipo de cliente também tem interferência. Um cliente que manda muito serviço pode ter um preço diferenciado.

4 – Se você está pegando serviço de um profissional que está terceirizando, também tem um preço diferenciado.

Conclusão, não existe uma tabela de preço de mercado que possa ser adotada por todos. Mas, então , quanto cobrar?

Assim, a maneira mais adequada de calcular o preço do seu serviço está estruturada em 3 itens:

1 – Preço de Mercado
É importante conhecer o preço do mercado, pois você nunca deve cobrar abaixo desse preço para não se desvalorizar e desvalorizar a classe.
Por meio de pesquisas na Internet e na sua cidade, conversas com cliente, conversas com outros profissionais, pesquisa em entidades de classes e associações, entre outras ações você pode saber exatamente o preço que rola na sua cidade ou região. Procure descobrir qual é o valor da hora que os profissionais usam para calcular seus preços.

2 – Seus custos
Use uma planilha de custos e preços como esta que eu uso, você pode baixá-la aqui. Isso é muito importante, pois com ela você consegue ver exatamente quanto gasta, isto é, qual é o seu custo. Depois disso, sabendo quanto você quer ou precisa ganhar você poderá obter o preço do seu serviço.

3 – Mão de obra por hora
Esse é um termo conhecido em administração na área de custos e que é uma unidade, É a quantidade de trabalho que uma pessoa pode realizar durante uma hora. Com isso você saberá exatamente quantas horas serão necessárias para um determinado serviço.

Ao baixar nossa planilha você também terá acesso ao vídeo que explica como utilizá-la.

3 – Entender o que o cliente quer e precisa

O briefing é um conjunto de informações, uma coleta de dados para o desenvolvimento de um trabalho. Palavra inglesa que significa resumo em português. É um documento contendo a descrição da situação de uma marca ou empresa, seus problemas, oportunidades, objetivos e recursos para atingi-los.

Com o briefing você consegue saber o objetivo final do cliente, como ele deseja o projeto finalizado. Um bom briefing diminui ou até exclui as chances de ter que refazer e alterar o projeto.

Você pode montar um questionário que servirá como um guia. Não significa que você fique engessado nas perguntas. É somente um guia. Quanto mais informações você conseguir colher, melhor. Dessa forma você consegue saber exatamente o que o cliente deseja.

Guia para um Briefing

1 – Quais são os objetivos do projeto. O cliente já desenhou a joia, já escolheu os materiais?

Ou quer testar, alterar? Precisa só da modelagem ou quer opiniões e ideias? O que exatamente pretende com esse projeto?

2 – Público alvo. Para quem deseja vender essa joia? Quais são as características desse consumidor? Idade, sexo, classe social.

3 – Estilo. Já tem algum material relacionado? A peça faz parte de alguma coleção? Qual o conceito que se pretende? Minimalista, renovável, clássico?

4 – Orçamento. Se o cliente deseja testar, alterar, opiniões e ideias é importante conversar sobre o orçamento que ele tem para pagar pelo seu serviço. Dessa forma você pode idealizar a quantidade de sugestões e opções.

5 – Prazos. Qual o prazo de entrega? Quantas alterações podem ser feitas? É importante definir datas e respeitar esses prazos.

5 – Objeções. Também é importante saber o que o cliente não quer, não gosta e não pretende. Vai te poupar bastante tempo.

Um briefing bem feito e cumprido significa cliente satisfeito!